Quizes e Testes Sempre uma coisa nova para você. Só clicar.

Tomb Raider: A Origem – Crítica

Lara Croft é a independente filha de um excêntrico aventureiro que desapareceu quando ela mal tinha chegado à adolescência. Agora, uma jovem de 21 anos sem nenhum foco ou propósito na vida, Lara faz entregas de bicicleta nas caóticas ruas de Londres, ganhando apenas o suficiente para pagar o aluguel. Determinada a forjar seu próprio caminho, ela se recusa a tomar as rédeas do império global de seu pai com a mesma convicção com que rejeita a ideia de que ele realmente se foi. Aconselhada a enfrentar os fatos e seguir em frente depois de sete anos sem seu pai, Lara busca resolver o misterioso quebra-cabeças de sua morte, mesmo que nem ela consiga entender a sua motivação.

Deixando tudo para trás, ela parte em busca do último destino em que ele foi visto: um lendário túmulo em uma mítica ilha possivelmente localizada ao longo da costa do Japão. Mas sua missão não será fácil, já que a jornada para a ilha será traiçoeira. De repente, os riscos não podem ficar mais altos para Lara, que – contra todas as probabilidades e armada apenas com sua mente afiada, fé cega e espírito naturalmente obstinado – deve aprender a ultrapassar seus limites enquanto viaja para o desconhecido. Se sobreviver aos perigos dessa aventura, ela pode enfim encontrar um propósito para sua vida e tornar-se digna do nome Tomb Raider.

Da Warner Bros. Pictures e Metro-Goldwyn-Mayer Pictures, Tomb Raider – A Origem é a história que vai colocar uma jovem e resoluta Lara Croft em um caminho para se tornar uma heroína global. O filme conta com a ganhadora do Oscar Alicia Vikander (“Ex_Machina: Instinto Artificial”, “A Garota Dinamarquesa”) no papel principal de Lara Croft, direção de Roar Uthaug (“A Onda”), produção do ganhador do Oscar Graham King (“Os Infiltrados”) sob a bandeira da sua GK Films. Os produtores executivos são Patrick McCormick, Denis O’Sullivan e Noah Hughes.

Para ler a nossa crítica, clique aqui

3

Nossa Opinião:

Estamos diante de uma ótima reconstrução do jogo Tomb Raider para o cinema. A atriz é carismática e alcança com facilidade a personalidade da Lady Croft. Em um primeiro momento tentamos fazer uma conexão com a versão de Angelina Jolie (que também era fiel aos jogos da época. A protagonista era reconhecida também pelo seu busto farto e volumoso) e não há conexão. Quando houve o remake do jogo, houve do filme. Apresentar uma protagonista “casca grossa”, inteligente, corajosa, destemida fala diretamente como o público feminino que anteriormente não era o público-alvo da franquia. Como é importante destacar: estamos tratando de um filme/jogo. Não se deve entrar com expectativas altas, além de um filme para família que tem a única função de divertir. E isso ele faz bem.

Comentários

comentários

Tomb Raider: A Origem – Crítica by Paranóia Magazine Digital is licensed under a Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International License.