Crítica – Maria do Caritó

Lilia Cabral é Maria do Caritó, uma solteirona em busca do amor verdadeiro, no longa dirigido por João Paulo Jabur (‘Salve Jorge’). Produzido pela EH! Filmes, de Elisa Tolomelli, em coprodução com Globo Filmes, Das Geld, Camisa Listrada BH, Naymar, Arafoto e Afinal Filmes. Com estreia prevista para 31 de outubro, a distribuição é assinada pela Imagem Filmes.

O longa é baseado em uma peça homônima, “escrita especialmente para o retorno da atriz Lilia Cabral ao teatro”, como conta o escritor Newton Moreno. A comédia dramática ficou cinco anos em cartaz antes de ganhar as telas dos cinemas e foi um verdadeiro sucesso de público. Indicada a seis categorias no Prêmio Shell 2010, a peça ‘Maria do Caritó’ contou ainda com a vitória de Lilia Cabral na categoria de Melhor Atriz no Prêmio Contigo 2011.

Muito popular no nordeste do país, a expressão “ficar no caritó” é utilizada para se referir a alguém que nunca casou e está encalhado. Esta é a história de Maria (Lília Cabral), uma mulher solteirona, que sonha em encontrar o verdadeiro amor. Prometida a um santo que ninguém nunca ouviu falar, ela foi guardada pelo pai para ser entregue virgem a São Djalminha. Parecia que nem um milagre poderia ajudá-la, mas o amor vem de onde menos se espera e, quando uma trupe de circo chega à cidade, Maria descobre que o mundo pode ser muito mais colorido e divertido do que ela imaginava.

Creative Commons License
Crítica – Maria do Caritó by Paranóia Magazine Digital is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 Brazil License.
4

Nossa Opinião

Estamos diante de uma tendência benéfica no nosso cinema: Cinema Regional. Estamos vendo histórias que antes não teriam oportunidade de ser vista fora das regiões onde ocorreram. Assim como foi Cine Holliúdy e o Shaloin do sertão, nosso cinema parece finalmente dar o Spotlight para essas boa histórias.  Maria Caritó é sem dúvida uma dessas histórias.  Lilia Cabral passa para o público um desespero de uma mulher, moradora de uma cidade do interior em que ela tida como “santa milagreira”. O desespero dessa mulher em mostrar que ela não tem nada de santa leva esse filme, de uma maneira muita leve, em mostrar a perda da ingenuidade da protagonista.  As reviravoltas do final do filme garantem a sensação de dever cumprido. Ótimo filme. Recomendo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *