Crítica – Carnival Row

Um serial killer inicia uma onda de crimes a criaturas mágicas na vitoriana Burgue, iniciando uma conturbada investigação que transforma o detetive do caso no principal suspeito dos terríveis crimes. Essa série em estilo neo-noir fantasy nos leva a acompanhar as histórias de criaturas míticas refugiadas de guerra e as tensões com os moradores da cidade que os abrigou.

Os protagonistas inspetor Rycroft Philostrate (“Philo”) , vivido por Orlando Bloom e Vignette Stonemoss, vivida por Cara Delevigne apresentam essa história mostrando o seu relacionamento destruído em função da guerra como ponto de partida para apresentar uma série de incidentes de ódio xenofóbico contra as criaturas míticas.

Um tema mais que atual e uma produção de altíssima qualidade mostram claramente os interesses da Amazon Prime Video em se estabelecer como uma grande produtora de conteúdo de streaming e que tem interesse de lutar na guerra das gigantes do entretenimento.

Creative Commons License
Crítica – Carnival Row by Paranóia Magazine Digital is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 Brazil License.
3

Nossa Opinião

É um grau de beleza pela grandeza que essa produção oferece desde os primeiros segundos dessa série misturados ao um grau de pavor pela enorme proximidade com a realidade que vivemos hoje. É uma obra incrível que deve ser vista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *