Quizes e Testes Sempre uma coisa nova para você. Só clicar.

Brincadeira têm hora.


camisas-sexuais

 

Essa semana presenciamos um ato de repúdio a empresa Adidas que estava vendendo as camisas acima. Nela, o conteúdo tinha referências claras sexuais. O termo “Looking to Score” em uma tradução livre significa não ficar no zero a zero, ou seja, ter algum tipo de relação sexual. A segunda, tinha dentro do coração a referência clara de um biquíni.

Até ai é compreensivo que o país tome atitudes como essa, é sua reputação que está em jogo. A EMBRATUR gasta milhões de reais anualmente em campanhas publicitárias com o objetivo de vender o melhor do nosso país e fugir de estigmas como como o Turismo Sexual, tráfico de mulheres entre outros.

O que me incomodou com a história toda foi a justificativa que a assessoria de imprensa da empresa comunicou pelo Twitter e que foi reproduzida pela reportagem de O Globo Online:

“A Adidas sempre acompanha de perto a opinião de seus consumidores e parceiros, e por isso anuncia que os produtos em questão não mais serão comercializados pela marca. É importante frisar que trata-se de uma edição limitada que estaria disponível apenas para os Estados Unidos”

Poderiam ser vendidas em outros lugares do mundo, e ainda estaria errado. Será que se associar o nome de outro lugares com realidades do cotidiano não seriam também ofensivos? Como uma camiseta da Adidas sendo costurada por crianças chinesas em sua estampa ou quem sabe outra com os dizeres: Paraguai – Aqui se falsifica mais barato.

Não estamos aqui questionando se atitude ocorre ou não ocorre, mas sim destacando o direito legítimo de não querer se associar uma nação a esse tipo de condutas.

O Ministério do Esporte fez uma “resposta” a Adidas e postou essa imagem como resposta:

camisaesporte

Não era para EMBRATUR ou Ministério do Turismo para responder e tomar as atitudes cabíveis? Alguém falou em Copa do Mundo ou Olimpíadas? Por que isso, e somente isso, justificaria a intervenção do Ministério dos Esportes. Imagino o Supremo Tribunal Federal entrando em recesso de suas funções para questionar essa atitude da Adidas.

Temos que aprender a agira como nação. Deixar que cada um faça a sua parte e não agir de maneira amadora quando se têm em risco a reputação de uma nação.

Comentários

comentários

Brincadeira têm hora. by Paranóia Magazine Digital is licensed under a Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International License.