Aquaman – Crítica

A Warner Bros. Pictures e o diretor James Wan apresentam Aquaman, uma aventura repleta de ação pelo vasto e deslumbrante mundo subaquático dos sete mares, estrelada por Jason Momoa no papel-título. O filme revela a origem de Arthur Curry, meio homem, meio atlante, que embarca em uma jornada para descobrir quem ele realmente é e se ele é digno de seu destino… ser rei. O filme também é estrelado por Amber Heard (“Liga da Justiça”, “Magic Mike XXL”) como Mera, uma guerreira destemida e aliada de Aquaman ao longo de sua jornada; o indicado ao Oscar Willem Dafoe (“Platoon”, “Homem-Aranha 2”), como Vulko, conselheiro do trono de Atlântida; Patrick Wilson (dos filmes “Invocação do Mal”, “Watchmen – O Filme”) como Orm/Ocean Master, o atual Rei de Atlântida; Dolph Lundgren (dos filmes “Os Mercenários”) como Nereus, rei da tribo atlante Xebel; Yahya Abdul-Mateen II (da série da Netflix “The Get Down”) como o vingativo Black Manta; e a vencedora do Oscar Nicole Kidman (“As Horas”, “Lion – Uma Jornada Para Casa”) como a mãe de Arthur, Atlanna; além de Ludi Lin (“Power Rangers”) como o capitão Murk, do comando de Atlântida; e Temuera Morrison (“Star Wars: Episódio 2 – Ataque dos Clones”, “Lanterna Verde”) como o pai de Arthur, Tom Curry. Wan dirige o filme a partir de um roteiro de David Leslie Johnson-McGoldrick (“Invocação do Mal 2”) e Will Beall (“Caça aos Gângsteres”, da série de TV “Training Day”), com história de Geoff Johns & James Wan e Will Beall, baseado nos personagens da DC, com o Aquaman criado por Paul Norris e Mort Weisinger. O filme é produzido por Peter Safran e Rob Cowan, com produção executiva de Deborah Snyder, Zack Snyder, Jon Berg, Geoff Johns e Walter Hamada. A equipe de Wan nos bastidores inclui colaboradores habituais como o diretor de fotografia indicado ao Oscar Don Burgess (“Invocação do Mal 2”, “Forrest Gump – O Contador de Histórias”), o editor Kirk Morri (dos filmes “Invocação do Mal”, “Velozes & Furiosos 7”, dos filmes “Sobrenatural”) e o desenhista de produção Bill Brzeski (“Velozes & Furiosos 7”). Juntam-se a eles a figurinista Kym Barrett (trilogia “Matrix”, “O Espetacular Homem-Aranha”) e o compositor Rupert Gregson-Williams (“Mulher-Maravilha”). A Warner Bros. Pictures apresenta Aquaman, uma produção da Safran Company, um filme de James Wan. O filme tem estreia prevista para 13 de dezembro de 2018, em versões 2D, 3D e IMAX; e será distribuído mundialmente pela Warner Bros. Pictures

Para acessar nossa crítica: clique aqui

3

Nossa Opinião

O filme constrói a história do Aquaman dentro do que a DC Comics tenta emplacar como um universo cinematográfico. Junto com o longa da Mulher Maravilha de 2017, O Homem de Aço de 2013, esse filme parece mostrar que DC Comics achou uma fórmula para seus personagens. Tentativas anteriores como Liga da Justiça, Batman vs. Super Homem e Esquadrão Suicida foram catástrofes cinematográficas por acreditar que apenas a força da personalidade de seus persongens seriam aptos para emplacar um sucesso de bilheterias.  Ao contar as origens de seus personagens, a DC começa a construir sólidos alicerces com o produto em que permitiu ainda estarem no mercado: suas histórias. Mesmo com os tenebrosos arcos nos quadrinhos, a Warner Bros. tenta começa a colocar ordem na casa estabelecendo um universo cinematográfico que pode ser muito mais lucrativo do que se imagina. Aquaman é um filme basicamente feito pós-produção, com lindas imagens que permitem a recomendação de assistir em salas IMAX. A personificação de Mamoa do Super herói o transformou em um filme de “brucutus” o que vai agradar uma grande parcela dos fãs. Recomendamos ver o filme.

Comentários

comentários

Aquaman – Crítica by Paranóia Magazine Digital is licensed under a Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International License.